top of page

A mobilidade elétrica tem despertado muitos sentimentos, mas nem sempre positivos.

Fala galera, beleza? Mais uma vez gostaria de trazer minha percepção e opinião sobre a mobilidade elétrica. Tenho observado que o assunto "carro elétrico" vem aparecendo cada vez mais na mídia e rede sociais. Todavia, nem sempre como algo positivo.


Venho trabalhando de forma intensa e apaixonada com o compartilhamento das minhas experiências e opiniões. No longíquo ano de 2019, eram poucos os perfis em redes sociais que se aventuravam em falar exclusivamente sobre o assunto e as mídias profissionais começavam a falar sem muita propriedade.


Com o passar dos anos, multiplicou o número de perfis sobre o assunto e as mídias tradicionais começaram a ter mais contato, afinidade e experiências próprias. Entretanto, cada vez mais, também, aumentaram as publicações detratoras.


Sejamos sinceros, a internet é movida por polêmicas. Boas notícias vendem muito pouco em comparação com denúncias e reclamações. Vejam que poucos falavam sobre o assunto até 2020, exceto em casos específicos quando surgia a pauta por alguma ação tomada por prefeituras ou estados com incentivos.


Todavia, com o crescimento das vendas de veículos elétricos e o desenvolvimento gradual da rede de carregamento, além de ter maior visibilidade, surgiram os detratores profissionais. Claro que nem tudo são flores no mundo da mobilidade elétrica, mas o pior é ouvir reclamação de quem se quer tem relação com o assunto. A mobilidade elétrica tem despertado muitos sentimentos, mas nem sempre positivos.


A pior coisa que existe é leitor de Manchete e pesquisador de cortes no YouTube, o "especialista" só repete os jargões sem saber oque significa, mas acredita que é tudo que precisa saber sobre o assunto.


A frase mais usada é "O carro elétrico já morreu três vezes, essa é a quarta vez", extraída de um corte no canal "A Roda" em uma entrevista com o César Unhani. Entretanto, não conheço ninguém que saiba exatamente o que o César quis dizer, exceto pelo próprio César, que explicou em outro momento, mas isso não aparece nos cortes.


Outra frase muito repetida é que existem cemitérios de carros elétricos espalhados pelo mundo. Tudo fruto de matérias que usam a imagem de um pátio com diversos carros ao tempo. Infelizmente, pouco se fala do contexto do pátio e deixam a impressão que os carros foram abandonados por que não funcinam mais ou porque são inviáveis.



Para trazer uma luz sobre o assunto, gostaria de citar uma reportagem do AutoPapo.



O que o Inside China Auto apontou é que: em 2016, houve um aumento no serviço de aluguéis de bicicletas elétricas, uma via mais econômica e prática do que o aluguel de carros elétricos. Os cidadãos conseguiam a bike rapidamente, por um custo menor do que os EVs, além de não terem problemas de pontos de estacionamento.
Quando a população teve ciência de que trocar o carro elétrico pelas bicicletas era viável, o abandono do serviço dos automóveis foi iminente.

Não é somente veículos elétricos que ocupam o pátio, há diversos táxis aposentados. Mas citar esse fato enfraqueceria a imagem e não impactaria tanto o discursão contra os veículos elétricos.


Por conta da posição de alguns profissionais do setor automotivo, e até mesmo grandes executivos, o esforço para gerar uma imagem tão negativa sobre os veículos à bateria é tão forte que chega a soar como algo organizado e com a intenção de criar uma onda de comentários e ampliação do discurso.


Como a eficiência dos motores elétricos é indiscutível, o foco acaba sendo na energia, tanto na forma de armazenamento quanto a produção. Falando do armazenamento de energia (bateria de alta voltagem), os pontos mais críticos são a extração. o custo de produção, capacidade de armazenamento, vida útil e descarte. Não preciso nem dizer que responder todos esses pontos exigiria outro texto, mas são todas questões já repondidas.


Pior é ter que ouvir discursos de politicos e empresários contrarios a mobilidade elétrica dizendo que o Etanol é mais limpo que a eletricidade, mas esquecem de mencionar que a base de comparação deles é com a matriz energética da Europa, lugar que nem se usa o Etanol por conta das temperaturas baixa da região.


Sinto que o receio dessas pessoas não é que o carro elétrico acabe tomando o mercado de uma hora para outra, mesmo porque não haveria produção suficiente para isso. Acredito que o motivo seja que as pessoas começarão ter cada vez mais parâmetros de comparação e comecem a exigir produtos melhores ou redução de preço. Basta observar quantos itens de conforto e utilidades que um modelo "básico" elétrico traz a mais que um equivalente à combustão.


Entretanto, a postagem que me inspirou a escrever o texto tem relação com a infraestrutura de carregamento. Os dircursos sempre falam sobrea a quantidade de carregadores no Brasil e ao tempo de carregamento. É fato que muita coisa ainda precisa ser feita e lutamos por isso.


É incrível que as pessoas que mais reclamam sobre a falta de infraestrutura nas redes sociais são exatamente aqueles que não usam e não possuem informação acerca do assunto. Ainda temos um longo caminho, mas ele está sendo contruido de forma acelerada. Nos últimos 4 anos, a rede de carregamento aumentou 10 vezes, inclusive com a oferta de carregadores de até 350 kW.


A verdade é que ninguém taca pedra em árvore que não dá fruto e a mobilidade elétrica tem apresentado cada vez mais frutos em cada país que é implantada de forma correta. Não peço que o carro elétrico seja a única opção, apenas que seja mais uma opção viável. Já tivemos tantas políticas públicas para incentivar os veículos à Etanol e para produção local veículos com baixa cilindrada. Por que o carro elétrico é recebido com uma âncora ao invés de um trampolim?


Deixo a reflexão para todos: Por que será que os carros elétricos atraem tanta raiva daqueles que nem usam? Seria inveja ou algo maior?


Até mais.


56 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page